quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Conjunto Comercial no centro empresarial Mario Henrique Simonsen - R$ 1.700.000,00 - R$ 10.000,00




http://www.mercadoimoveis.com/imovel/10731/conjunto-comercial/centro-empresarial-m%C3%A1rio-henrique-simonsen/barra-da-tijuca

Emprego com carteira sobe na construção


A construção civil viveu um boom de formalização ímpar no mercado de trabalho brasileiro nos últimos nove anos. O número de trabalhadores com carteira assinada cresceu 95,2% entre 2003 e 2011. No mesmo período, na média dos demais setores, a população ocupada com carteira cresceu muito menos - 48,2%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A falta de mão de obra no setor fez com que empresas tomassem iniciativas para reter seus trabalhadores e, a mão de obra, ciente da sua valorização, passou a exigir maiores benefícios.
Em 2003, 4,8% dos trabalhadores com carteira assinada atuavam na construção civil, de acordo com a Pesquisa Mensal de Emprego (PME). No ano passado, esses trabalhadores representavam 6,3% do mercado de trabalho formal das seis regiões metropolitanas contempladas pela pesquisa. Apesar de o setor ainda ocupar um pequeno espaço no estoque de vagas, esse aumento de 1,5 ponto percentual representou 337 mil funcionários com carteira assinada a mais na construção civil (alta de 95,2%). Na indústria, o número de trabalhadores formais cresceu 28,5% entre maio de 2003 e maio de 2012 e, no comércio, 47%. No mesmo período, a população ocupada cresceu apenas 21,3%, chegando a 23 milhões em maio.
A redução do nível de atividade das incorporadoras imobiliárias ainda não teve reflexo no emprego, que cresce com ajuda das obras relacionadas ao setor público. Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), a geração líquida de vagas na construção civil aumentou 30,4% de janeiro até maio deste ano, na comparação com igual período de 2011 - o saldo é de 192,9 mil trabalhadores formais incorporados ao setor nos primeiros cinco meses de 2012. Nesse período, o emprego na construção civil cresceu mais que em outros setores da economia e ganhou participação no mercado de trabalho formal, representando 22% das 877,9 mil vagas criadas até maio no país. Em igual intervalo de 2011, a participação do setor foi de 12,6%.
"Quando têm boas perspectivas de crescimento, as empresas contratam mais com carteira assinada. A construção civil foi o setor que mais sentiu o estrangulamento de pessoal no passado recente, independentemente das incertezas quanto à atividade durante as crises internacionais", diz Alexandre Loloian, economista da Fundação Seade.
Para Silvano Aragão, diretor de recursos humanos da construtora mineira Caparaó, a crise de 2008 trouxe efeitos positivos para o mercado de trabalho da construção civil no Brasil ao redirecionar o foco de investimentos no país. "Desde a crise, a construção civil passou a ser mais demandada. Muitos investimentos foram destinados à infraestrutura e construção com a queda da rentabilidade das ações", explica.
Aragão diz que o aumento da demanda por obras expandiu a procura por trabalhadores e, consequentemente, os esforços das empresas para retê-los - implicando o aumento da formalização. "Antes, bastava colocar um anúncio em porta de obra que 'chovia' candidato. Muitas empreiteiras empregavam sem registro em carteira. Com o boom desse mercado, os trabalhadores viram a força que tinham e começaram a fazer exigências. O medo do desemprego desapareceu." Ele explica que nesse momento as empresas começaram a expandir os benefícios como plano de saúde e auxílio alimentação, que incentivam o trabalhador a permanecer na empresa.
O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil em São Paulo (Sintracon-SP), Antonio Ramalho, acredita que a mão de obra ficou mais consciente. "O pedreiro aceitava trabalhar informalmente, porque achava que recebia mais sem carteira assinada, mas houve uma conscientização."
No passado, não era raro que o trabalhador negociasse um salário "maior", sem carteira assinada. Isso desonerava o empregador de impostos e benefícios obrigatórios. No entanto, para o presidente do Sintracon-SP, o salário absoluto maior é uma vantagem aparente. "O trabalhador informal perde as férias, o 13º salário, o fundo de garantia. É sempre ruim."
De acordo com o IBGE, 1,8 milhão de pessoas trabalham na construção civil nas seis regiões metropolitanas englobadas pela PME. Foram criadas cerca de 325 mil vagas no setor desde 2003 - preenchidas em sua totalidade pelos novos 337 mil formalizados.
Apesar de a formalização ter avançado fortemente na construção civil nos últimos anos, o trabalhador com carteira assinada no setor privado ainda representa menos da metade da população ocupada no setor (40,1%, em maio), enquanto os sem carteira representam 16,6%. Um grupo representativo na construção civil é o de trabalhadores por conta própria que são 37,6% do total.
Entre 2003 e 2011, houve uma migração de trabalhadores sem carteira assinada (queda de 22 mil) para trabalhadores por conta própria no setor (aumento de 29 mil), segundo especialistas consultados. "Quando você libera o financiamento do FGTS para aquisição de material de construção, muitas pessoas viram nisso uma oportunidade de trabalhar por conta própria, já que a construção civil continua crescendo muito em todo o país", diz Ramalho.
Loloian, da Seade, observa que as empresas também viram vantagem em se formalizar. "Houve um forte aumento no número de assalariados formais por conta da formalização obrigatória para as empresas que buscavam financiamento, com a série de aberturas de capital na bolsa nos últimos três anos", diz.
O resultado da formalização na construção civil é visível não somente na disputa por mão de obra mas também na remuneração do setor. O salário de admissão no setor já é maior que na indústria de transformação. Segundo Aragão, da Caparaó, um pedreiro recebe cerca de R$ 1,2 mil por mês em Belo Horizonte. Somando as horas extras, sua remuneração mensal chega a R$ 2 mil. "A qualidade de vida dessas pessoas melhorou muito. Existe muito universitário que se forma na faculdade e começa ganhando menos no mercado de trabalho", diz. No entanto, a PME já aponta que o rendimento médio real dos trabalhadores na construção civil tem recuado (3,2% na comparação entre os meses de maio de 2012 e do ano passado).

Ademi, 14/nov

terça-feira, 13 de novembro de 2018

Apartamento 2 Quartos, 1 Suíte na ABM na Barra da Tijuca - R$ 1.199.000,00




http://www.mercadoimoveis.com/imovel/10721/apartamento-2-quartos,-1-su%C3%ADte/apartamento,-2-quartos-%281-su%C3%ADte%29,-abm,-venda/barra-da-tijuca

Empregadores ainda têm receio de aplicar a reforma trabalhista


Prestes a completar um ano, a reforma trabalhista ainda não foi pacificada nas cortes, e empregadores ainda têm receio de usar seus mecanismos.
A contratação intermitente é a novidade pela qual as empresas mais se interessam, mas evitam por medo de suas possíveis decorrências, segundo advogados especializados.
"Ainda não dá para saber se um trabalhador chamado por esse regime terá direito a benefícios como participação nos lucros e plano de saúde, como os outros", diz Cibelle Goldfarb, sócia do BMA.
Há outras questões ainda não respondidas pela legislação ou jurisprudência, afirma Luis Antônio Ferraz Mendes, do Pinheiro Neto.
"Se uma funcionária intermitente não convocada a trabalhar engravida, ela terá estabilidade? Eles podem participar das comissões de trabalhadores?"
A homologação de acordos pela Justiça do Trabalho também não está clara, diz Antonio Frugis, do Demarest.
"O empregador faz um acerto, mas não se sabe ao certo se isso quita qualquer possibilidade de ação, por novos motivos que venham a aparecer."


Folha de São Paulo, Mercado Aberto, 05/nov

segunda-feira, 12 de novembro de 2018

Apartamento 2 Quartos, 1 Suíte na Barra da Tijuca - R$ 850.000,00




http://www.mercadoimoveis.com/imovel/10517/apartamento-2-quartos-1-suíte/apartamento,-2-quartos-%281-suíte%29,-barra,-venda/barra-da-tijuca

Zona Oeste em foco


Estudo feito pelo Secovi-Rio mostrou que, no segundo trimestre de 2018, foram negociados 31% mais imóveis do que nos primeiros três meses do ano. E o maior volume de venda foi na Zona Oeste, com o programa "Minha Casa, Minha Vida" ajudando a impulsionar as negociações em alguns bairros, entre eles Santa Cruz, onde foram vendidas 760 unidades residenciais e comerciais (com destaque para 309 casas) apenas no segundo trimestre deste ano.
O professor da Fundação Getúlio Vargas Paulo Porto lembra que, para a classe C, existe uma demanda reprimida muito forte no setor de habitação, que foi muito fomentada nos últimos 16 anos, até mesmo com a criação deste programa habitacional.
Uma das líderes do mercado de MCMV, a MRV está investindo fortemente na Zona Oeste, especialmente em Santa Cruz. A empreendedora construirá o Complexo Mirantes do Rio, que terá quatro condomínios fechados com 1.500 unidades.
O primeiro empreendimento desse complexo, o Residencial Rio Araras, começará a ser vendido no final de setembro. David Dornas, gestor comercial da MRV, tem a expectativa de negociar 40 unidades por mês.
- O Rio Araras faz parte das novas linhas de produtos da construtora e terá com vários diferenciais que aliam inovação e sustentabilidade ao projeto, como a utilização de placas fotovoltaicas na geração de energia solar para as áreas comuns, o que garantirá uma maior economia aos futuros moradores - propagandeia Dornas.
Empresa contrata corretores
Com 420 unidades de dois quartos, o Rio Araras tem apartamentos com preços a partir de R$ 144 mil. A área comum do residencial terá salão de festas, playground, espaço gourmet, piscinas adulto e infantil, bicicletário e fitness descoberto.
Segundo Dornas, todas essas áreas serão entregues equipadas e mobiliadas. As unidades terão ainda tomadas com entrada USB e piso laminado nos quartos e sala. Haverá opções de apartamentos térreos, além de unidades PNE (para portadores de necessidades especiais).
O principal público-alvo da MRV para os apartamentos de Santa Cruz são os solteiros e recém- casados.
- Hoje a Zona Oeste é uma região com um excelente demanda e não vamos parar por aí: temos ainda um land bank (compra de terrenos) de mais de 10 mil unidades na região - explica o gestor comercial da MRV, David Dornas.
Para atender aos interessados nos apartamentos, a construtora está contratando cem corretores autônomos. Para se candidatar, é preciso ter ensino médio completo, experiência nas áreas de vendas e registro da categoria.
A empresa informa que as vantagens oferecidas são campanhas de incentivo, capacitação, estrutura de mídia e ferramentas de apoio a prospecção de clientes.
Os interessados em se credenciar devem enviar o currículo para sancler.novaes@mrv.com.br.

Extra, Ana Carolina Diniz, 04/nov